AfroReggae participa de Conferência da Unesco no Equador

  • Eduardo Borzino
  • 18 de outubro, 2016
CompartilharTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook

 unesco-conferencia

fdf

De 17 a 20 de outubro, o AfroReggae da participa Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável, conhecida como Habitat III, e promovida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em Quito. O evento marca o lançamento da publicação Desenvolvimento social de base em favelas do Rio de Janeiro: um guia prático. Em seu primeiro dia, os participantes do encontro debateram o tema Compartilhando boas práticas na promoção da inclusão urbana e não discriminação. A mesa foi composta pela professora de Psicologia Social e Diretora do mestrado em Psicologia Social e Cultural da LSE, Sandra Jovchelovitch, e a Diretora da Área Programática da UNESCO no Brasil, Marlova Noleto. 

df

Para José Junior, fundador e coordenador executivo do AfroReggae, a parceria entre as instituições foi determinante: “A UNESCO tem sido parceira fiel do desde 2000, viabilizando o nosso trabalho, não apenas financeiramente, como faz em nossos projetos, mas também nos ajudando em momentos em que precisamos atuar em áreas de risco, com jovens que vivem cercados pela violência. Sou muito grato pela parceria e gosto sempre de ressaltar que a UNESCO é uma das responsáveis pelo nosso sucesso ao longo desses anos.”

fd

luana-unesco

Luana Cabral. Foto: Reprodução.

ds

A produtora cultural Luana Cabral está em Quito para representar o AfroReggae, para ela é um privilégio ver de perto como a arte e cultura podem ser alternativas para jovens moradores das favelas cariocas. “Seja no teatro, seja no circo, expressões artísticas podem e mudam vidas todos os dias. Pode fazer e representar o que eu acredito e dividir com outras pessoas, é um experiência incrível.”

fd

A publicação “Desenvolvimento social de base em favelas do Rio de Janeiro: um guia prático” foi produzido para impactar formadores de opinião, ativistas, especialistas, líderes comunitários, professores, jovens mobilizadores e formuladores de políticas públicas. O trabalho foi formulado a partir da pesquisa Sociabilidades Subterrâneas, resultado do trabalho conjunto da UNESCO no Brasil da London School of Economics and Political Science (LSE). Através da parceria, foi possível estudar a identidade, cultura e resistência nas favelas do Rio de Janeiro sob perspectiva do trabalho desenvolvido pelo AfroReggae e pela Central Única das Favelas (CUFA). 

fd