Betho Pacheco

  • AfroReggae
  • 5 de maio, 2014
CompartilharTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook

Uma promissora trajetória artística interrompida. Pode parecer um história triste, mas não é! Pelo contrário, esta é a vida de Roberto Pacheco, ele trocou os palcos do mundo pelo trabalho com jovens. E garante: não há uma ponta de arrependimento.

De uma interpretação do Grande Otelo em um especial da Rede Globo até a transformação de vidas em Vigário Geral. A vida de Betho Pacheco está sempre em movimento. E como nos passos da dança, foco e dedicação foram essenciais para ele.

betho-pacheco

Foto: JR Duran.

Nascido em São Paulo, as artes passaram a fazer parte do dia a dia de Betho desde sua adolescência. E foi na capital paulista que ele se formou no Teatro Brasileiro de Comédia e no Teatro Brasileiro de Dramático. Costumava frequentar o tradicional bairro Bixiga, ponto de encontro de diversas expressões culturais paulistanas. O convívio com seus pares só aumentava sua certeza na vida que escolherá.

Porém, foi no Rio de Janeiro, ao interpretar o musical “Não fuja da Raia” que a história de Betho Pacheco mudou, e ele não conseguiu mais fugir da cidade. Logo no início de sua carreira, o jovem se lançou nos musicais e teve Sergio Britto como tutor.

O ponto alto de sua trajetória foi dar vida ao grande Otelo, no musical exibido pela Rede Globo para comemorar os 50 anos da televisão no Brasil, mas foi no AfroReggae que ele despertou sua verdadeira vocação: transformar vidas. E o primeiro encontro entre os dois aconteceu no final da década de 90, no Angel Mix, na época Betho Pacheco trabalhava no programa.

Depois disso, ele foi convidado para dar um workshop em Vigário Geral. Com o passar do tempo, a relação se estreitou e Betho Pacheco se tornou coordenador de grupos artísticos do AfroReggae e também do Centro Cultural Waly Salomão.

Porém tudo isso poderia não ter acontecido. Betho recebeu uma proposta para seguir a carreira internacional: “uma das decisões mais acertadas que fiz na vida foi continuar trabalhando no AfroReggae ao invés de ir com uma companhia de dança para Alemanha. Aqui no AfroReggae, eu estava me encontrando como artista e como pessoa.”

3 respostas para “Betho Pacheco”

  1. Josue esteva disse:

    Betão , vc é 10 o tempo que fiz parte do macala e do nucleo de nova era nova iguaçu vc me ajudou muito e tenho vc com um grande exemplo de vida ..

    um Abraço

  2. Jorge Molina disse:

    Estimado Betho:

    Soy Gestor Cultural y Comunicador Audiovisual Chileno. Tengo el agrado de escribirte con la finalidad de invitarte cordialmente a conocer el sitio educativo – cultural http://www.claquet.cl.

    Claquet es un recurso educativo – cultural gratuito y su objetivo es acercar la música clásica a los niños.

    Está dirigido a chicos de 2 a 10 años, de todos los grupos sociales. Sin embargo, para llegar a ellos se requiere la intermediación de los Profesores y Educadoras de Párvulos que deseen contribuir a educar la sensibilidad de sus alumnos.

    Ojalá Claquet pueda contribuir a las tareas de que ustedes realizan en beneficio de los niños.

    Quedo a vuestra disposición.

    Saludos cordiales !

    Jorge Molina

Comentar