África: chegamos em Cabo Verde

  • Eduardo Borzino
  • 5 de outubro, 2014
CompartilharTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook

Dia 8 de outubro desembarcamos em Cabo Verde pela última vez. Depois de três viagens e um ano atuando no país para contribuir para a gestão social e estimular expressões artísticas como circo, percussão e grafite, a jornada está próxima do fim. Saudade e a sensação de missão cumprida se misturam.

Dividir para multiplicar

O principal foco do trabalho em Cabo Verde é a educação. E esta última missão deve abrir portas para que jovens do país possam multiplicar tudo aquilo que lhes foi passado.

Integrantes ONGs locais Espaço Aberto Safende, Fundação Esperança, Korrenti di Ativistas, Acrides e técnicos do Ministério da Juventude de Cabo Verde foram capacitados para utilizar o Risco Social Familiar, técnica desenvolvida pelo AfroReggae com base na metodologia do Índice de Pobreza Multidimensional, criada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Assim, é possível  medir privações familiares que vão além da renda.

Outra frente do trabalho são as oficinas artísticas, nelas instrutores de circo, dança e grafite estimulam a vocação artística dos caboverdianos. A arte pode ser uma forma de sustento e também um meio de educação não tradicional.

 

O trabalho teve início em setembro de 2013 e é fruto de uma parceria com o Escritório Comum do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). O AfroReggae atua como parceiro neste trabalho que está focado na transferência de tecnologia social. Ele foi escolhido de forma direta pela sua história, resultados e também pela reconhecida coragem de não se negar a enfrentar desafios.

A Equipe do projeto

Ana Silva (Coordenadora do Risco Social Familiar)

Anderson Santos (instrutor de percussão)

Bruna Camargos (Coordenadora do projeto)

Chico Silva (instrutor de grafite)

Clovis Silva (instrutor de percussão)

Cristiano Preas (instrutor de grafite)

Elon Silva (instrutor de circo)

Johayne Hildefonso (diretor artístico)

Marvin Souza (instrutor de circo)

Comentar