Acompanhe o trabalho do AfroReggae em Cabo Verde

  • Eduardo Borzino
  • 27 de outubro, 2014
CompartilharTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Facebook

Quem ensina sempre aprende. E a terceira semana em CaboVerde foi repleta de ações voltadas para as escolas da cidade da Praia, capital do país. Os multiplicadores, caboverdianos escolhidos pela equipe do AfroReggae para replicarem conhecimento, tomaram a frente das atividades. Eles deram aulas de circo, percussão e grafite.

Diário de Bordo20, 21 e 22 de Outubro de 2014

A arte de ensinar e o ensino da arte

Esta semana está sendo dedicada às escolas de ensino primário de Cidade da Praia. Estabelecemos uma boa parceria com o Ministério da Educação. Os multiplicadores estão exercitando sua didática; são eles que estão ministrando as aulas nas escolas, e a equipe do AfroReggae permanece dando o apoio e fazendo as considerações, quando necessárias.

Na segunda-feira, estivemos na Escola Eugenio Tavares e nossa estreia com a meninada não poderia ter sido melhor! Foi soar o sinal do intervalo e os pequenos, tomados por alegria e curiosidade, se aglomeravam entre as aulas de circo, percussão e grafite. No final curtiram uma apresentação do nosso grupo de multiplicadores e, como não poderia deixar de ser, foi uma festa, com direito a volta olímpica!

Na terça-feira, foi a vez da Escola Castelão, e a festa se repetiu. A escola com um espaço menor do que a primeira virou uma verdadeira confusão, era sorriso para todos os lados, todos queriam tocar os instrumentos, fazer seus malabares e desenhos e, no final, a equipe do grafite deixou um lindo painel no palco da escola, para posteridade.

Na quarta-feira, foi a vez da Escola Achada Grande. O entusiasmo dos pequenos sempre a se repetir.  Estamos sendo muito bem recebidos por todos, e os multiplicadores estão confiantes e iniciam as atividades sozinhos. É nítido o prazer que sentem ao ensinar, ao passar adiante aquilo que puderam aprender neste um ano de projeto.

E a semana seguirá com mais escolas, na programação de amanhã, iremos à Escola de Calabaceira, receber a equipe do projeto. Na sexta, a escola de Tira Chapéu fecha a semana. O que era para durar apenas esta semana, passando por 5 escolas, está dando tão certo e fazendo tanto sucesso, que a delegada de educação nos pediu para fazer pelo menos mais 2 escolas e, como nós não resistimos e não fugimos da linha de frente, aceitamos o desafio. A realidade é que se tivéssemos mais tempo, faríamos as atividades em todas as escolas. E todos os elogios que recebemos da gestão das escolas torna o trabalho muito gratificante. É comum ouvirmos “isso é inédito”, “voltem quando quiserem”, “ As portas estão abertas”, “queremos contratar o grupo para o dia da escola” e todo o carinho possível.

E não para por aí: podemos dizer que o sol aqui está tão quente quanto nossos corações, porque depois de passarmos a manhã com a meninada, a tarde nos concentramos apenas com os multiplicadores para passar a coreografia do “Flash Mob”, que vamos realizar no sábado em homenagem ao dia das Nações Unidas.  É terminar os ensaios do Flash Mob, e adentramos um pouco da noite ensaiando o espetáculo final, que será apresentado no dia 31/10.  Entre os ensaios, reaplicamos o IPM, fazemos estudos de caso e reuniões institucionais. Ao final do dia estamos sempre exaustos, mas o amor por este trabalho e por todos aqueles que estão construindo essa linda história é tão grande que ao raiar o sol do novo dia, voltamos a brilhar com ele.

 

Diário de Bordo23 e 24 de Outubro de 2014

Entre malabares e piruetas: sorrisos

Encerramos a semana com as escolas. Na quinta estivemos na escola primária de Calabaceira e hoje na escola de Tira Chapéu. Foram dias de muito trabalho, suor e um certo mal estar físico da equipe que enfrentou o sol intenso durante toda a semana, mas que em nenhum momento fraquejou. Era chegar nas escolas, ver a alegria e o  encantamento das crianças ao tocar um instrumento, desenhar e pintar as paredes da escola, fazer malabares e piruetas, que o condicionamento físico ia se tornando menor diante dos sorrisos.

Para os multiplicadores, essa foi uma semana de muitos testes, didática e força de vontade nota 10. Eles não só entenderam o trabalham como se entregaram de corpo e alma. Foi comum ouvirmos palavras que traduziam a satisfação em estar ali. O trabalho de multiplicar o conhecimento foi exercido na prática.

Após a manhã com a criançada, os esforços foram concentrados no ensaio do flash mobile que será apresentado no sábado, em comemoração ao aniversário de criação das Nações Unidas.

Bruna e Ana seguiram em ritmo acelerado nas visitas domiciliares e nas entrevistas com os multiplicadores, pois as semanas vão passando e ainda temos muito o que fazer aqui.  A cada dia uma nova descoberta, uma nova parceria com o grupo, o olho no olho, a conversa franca. A cada dia, os caboverdianos nos permite adentrar mais e mais na realidade em que vivem.  São muitas as barreiras a serem superadas e as sementes que lançamos aqui devem estar bem adubadas para que os frutos continuem a prosperar mesmo após a nossa partida.

Reconhecidos pelo trabalho que estamos desenvolvendo, é comum estarmos andando pela rua, almoçando, ou jantando e sermos parados pelas pessoas para nos parabenizar pelo o que estamos fazendo na cidade. E cada vez vamos ficando mais famosos por aqui. Na sexta-feira, demos duas entrevistas na rádio de Cabo Verde, e fomos notícia em um dos jornais de maior circulação da cidade.

Estamos trabalhando com vidas, e são por estas e outras vidas que incansavelmente olhamos a diante e seguimos em frente trabalhando pelo milagre de existir, e dando a oportunidade para que outras pessoas existam.

Quem escreve o diário de bordo, a equipe do AfroReggae em Cabo Verde

Na foto, Ana Silva (Coordenadora do Risco Social Familiar), Anderson Santos (instrutor de percussão), Bruna Camargos (Coordenadora do projeto), Chico Silva (instrutor de grafite), Clovis Silva (instrutor de percussão), Cristiano Preas (instrutor de grafite), Elon Silva (instrutor de circo), Johayne Hildefonso (diretor artístico) e Marvin Souza (instrutor de circo).

A equipe do AfroReggae que está em Cabo Verde

Comentar